Integration na Medical Valley Summit

O Medical Valley é o mais importante cluster de tecnologia de medicina na Europa. Todos os anos eles promovem o Medical Valley Summit para fomentar discussões nas comunidades empresariais e científicas. No dia 23 de fevereiro o fórum abriu espaço para o debate de oportunidades de negócio em países como China e Brasil.

A Integration foi convidada pela Invest In Bavaria, agência de promoção de negócios do estado da Bavária, para apresentar no dia um panorama do setor de saúde no Brasil. Disponibilizamos a seguir um resumo dos principais pontos abordados na palestra dada por Luis Correa, consultor da Integration.

A apresentação foi dividida em quatro blocos para dar uma visão geral da indústria no Brasil e abordou temas como pacientes, o sistema de saúde, fornecedores e o varejo.

Com o aumento da população e da longevidade do brasileiro, o setor tem oportunidades de crescimento. A expectativa de vida ainda está abaixo dos países desenvolvidos, indicando um ponto de melhoria.

noticia_conteudo_medical-valley_slide03

No gráfico abaixo é possível comparar o gasto per capita no setor. No Brasil, o valor ainda está muito abaixo do que é desembolsado nos países desenvolvidos.

noticia_conteudo_medical-valley_slide01

Dentro dos hospitais o número de camas e médicos oscila em cada região, sendo a Nordeste com a pior cobertura e mais dependência do sistema público de saúde.

noticia_conteudo_medical-valley_slide04

O fornecimento de remédios no varejo farmacêutico brasileiro está entre os top dez no ranking mundial. São 66 mil farmácias, embora o maior número seja de comércios independentes, as líderes em volume de vendas são as redes.

noticia_conteudo_medical-valley_slide02

No panorama geral, o mercado de healthcare no Brasil apresenta muitas oportunidades de melhorias. O sistema de saúde é duplo, ou seja, pode-se optar por ter acesso ao privado além do público pagando mensalidade para o convênio, essa opção gera discrepância no atendimento que cada usuário tem, enquanto clientes de sistemas privados têm acesso a hospitais de primeira classe, os que dependem do público lidam com inúmeras limitações.